top of page
Buscar
  • Foto do escritorLauro Criativa

Trabalhando com Pollyanna


Ao longo da vida, todos nós já cruzamos com aquela pessoa que parecia viver na “Ilha da Fantasia”, onde os problemas pareciam evaporar como névoa ao sol da manhã. É como se carregassem consigo uma aura de otimismo inabalável, uma predisposição a enxergar o lado positivo em tudo e todos. Esses indivíduos muitas vezes são rotulados como portadores do "Síndrome de Pollyanna", em alusão à personagem criada pela escritora Eleanor H. Porter, que encarava cada desafio com uma fé inabalável no lado bom da vida.


No entanto, é importante ressaltar que a “Síndrome de Pollyanna” vai além de um mero olhar otimista sobre a vida. Ela é, na verdade, uma forma de defesa psicológica contra as adversidades. É como se a pessoa se armasse com um escudo de positividade, uma tentativa de manter a sanidade em um mundo que muitas vezes parece caótico e cruel. Estes otimistas inveterados, no entanto, possuem um ingrediente crucial em sua abordagem: a empatia. Eles não apenas enxergam o brilho nos olhos dos outros, mas também sentem o peso das suas cargas. Compreendem que cada um carrega uma história e que o otimismo pode ser um raio de sol no coração de alguém imerso na escuridão.



Ela não é, portanto, uma negação da realidade, mas sim uma escolha consciente de não se deixar consumir por ela, enquanto estendem a mão para aqueles que lutam para encontrar o caminho. E aqui, a habilidade de trabalho em equipe se encaixa perfeitamente nessa narrativa. Ao colaborar e trabalhar em conjunto, os portadores da Síndrome de Pollyanna não apenas distribuem otimismo, mas também criam um ambiente onde a empatia e a compreensão são cultivadas. Eles percebem que a força do grupo pode superar qualquer obstáculo individual, e que juntos, todos podem trilhar o caminho da esperança.


No entanto, o excesso pode ser prejudicial. O otimismo em demasia pode levar a uma desconexão da realidade, criando expectativas irreais e, por vezes, levando a desilusões dolorosas. É como se o mundo, em sua complexidade, não coubesse nos contornos de um arco-íris eterno. Por outro lado, é preciso reconhecer o valor do otimismo genuíno. Ele é uma bússola que nos aponta na direção de soluções, uma fonte de energia para enfrentar desafios e uma luz que ilumina os dias mais sombrios. Os otimistas não ignoram as tempestades, mas confiam na capacidade de encontrar um caminho para além delas.




Assim, a Síndrome de Pollyanna é um lembrete de que, mesmo em meio à adversidade, existe espaço para a esperança. É um chamado para equilibrar o olhar crítico com a fé no potencial humano. É a habilidade de reconhecer a escuridão, mas escolher acender uma vela em vez de amaldiçoá-la. E, ao trabalhar em equipe, é a certeza de que, juntos, somos mais fortes.


Portanto, que possamos aprender com pessoas deste perfil, e que possamos, nós também, cultivar um olhar otimista que não ignore as dificuldades, mas que as encare como desafios a serem superados, com a confiança de que, no final, a perseverança sempre encontrará seu caminho. E que, em nossa jornada, possamos estender a mão com empatia, lembrando-nos de que o otimismo verdadeiro não está em negar a tristeza alheia, mas em ser uma esperança na adversidade do outro, trabalhando em conjunto para criar um mundo melhor para todos com quem convivemos.


Bom domingo!


Peri Rudá, 08 de outubro de 2023.

bottom of page