top of page
Buscar
  • Foto do escritorLauro Criativa

Entre Sombras e Revelações



Era uma vez, em uma cidade entrelaçada por nuances, uma fotógrafa chamada Preta. Com sua câmera sempre à mão, ela tinha o dom de ver além do óbvio. Onde muitos viam apenas dia e noite, Preta percebia um universo de sombras e luzes, revelações e mistérios.


Caminhando pela praça central em um dia ensolarado, ouviu um senhor comentar: "Que dia lindo e iluminado! Certamente, o céu sorri para nós hoje." Preta refletiu. A luz era a bênção divina, mas o que seria da escuridão? Seria ela ausência ou, talvez, uma presença mais profunda?


Na fotografia, Preta notou que o excesso de luz muitas vezes diluía os detalhes. Por outro lado, era nas sombras, nos contrastes, que as imagens ganhavam vida e história. Não estaria ali, nas tonalidades mais escuras, uma expressão mais autêntica da realidade?


Em um passeio por uma antiga catedral, as palavras "Deus é luz" ecoaram em seus ouvidos. Porém, a reflexão de Preta aprofundou-se: se Deus é onipresente, não estaria Ele também nas sombras, nos silêncios, nos segredos guardados no coração? O excesso de luz, assim como a escuridão completa, ambos cegam os olhos humanos. Então, por que definir a divindade estritamente em termos de claridade? Se Deus vive na luz, com certeza também reside nas trevas. Afinal, ambos os extremos revelam diferentes aspectos do divino.


Ao retornar à praça no entardecer, Preta observou o jogo sutil entre luz e sombra. A dança diária entre dia e noite. Capturou em sua lente aquele equilíbrio perfeito, aquele diálogo silencioso.


Aquela imagem tornou-se para Preta uma reflexão sobre a aceitação. As diferenças são naturais, inerentes à condição humana, e se manifestam tanto em nossa aparência quanto em nosso jeito de ser. Aceitar o outro como ele é, com suas luzes e sombras, é uma jornada de plenitude. E embora tenhamos o direito de escolher nossas companhias, reconhecer a individualidade de cada ser é o primeiro passo para um mundo mais harmonioso.


Com a câmera como extensão de seus olhos e seu coração aberto ao mundo, Preta continuou sua busca. Em cada clique, uma lição. Em cada imagem, a crônica silenciosa da coexistência e do respeito à diversidade.


"Quem tiver olhos que escutem a leitura da alma"



Peri Rudá

27/08/2023







A tempo...

Lembrar que hoje é o lançamento do livro do dramaturgo, ator, artista plástico e escritor, Renato Lima. "A Cigana do Mundo" com variadas apresentações no Cine Teatro de Lauro de Freitas a partir das 18h.





bottom of page